sábado, 2 de janeiro de 2016

TRATAMENTO ALTERNATIVO DE ESGOTO DOMÉSTICO

video

                                   animação: Claudia T.Cseri http://www.youtube.com/watch?v=t8ODez-37GM

        

Ideal para áreas rurais, costeiras e periferias urbanas onde não existe tratamento de esgoto convencional ou  se usa fossas negras que contaminam subsolo e lençóis freáticos.
Trata-se da filtragem das águas negras (provindas das fossas sépticas ou diretamente dos vasos) e das águas cinzas, de tanques, pias e chuveiros, através de filtros de raízes de plantas sobre casca de arroz, areia, terra  e brita dispostos em camadas alternadas, por diversas sessões até o refino final da água pelo aguapé e alfaces d’água e que poderá ser utilizada para irrigação de pomares, jardins, viveiros e para lavar áreas externas.
                                               foto refino;Nijen paisagens
Este sistema todo poderá ser projetado de maneira a formar um belo e decorativo jardim multifuncional, pois não exala odores.  Atinge uma eficiência de 99%, mostrando-se um dos mais completos sistemas já propostos. Pode ser, portanto, utilizado para todo o esgoto produzido em uma residência, sem separação das águas servidas, conforme mostrado no esquema acima. No caso de separação das águas servidas, estas podem ser ligada diretamente à segunda caixa, sem necessitar passar pela primeira, cuja fermentação se tornará mais eficiente, passando antes por uma caixa de gordura
 O tratamento das águas com resíduos é resultado da união entre os processos físicos, químicos e biológicos que ocorrem pelo fíltro físico (raízes, brita e areia) e as comunidades bacterianas e macróficas (plantas ) que irão “digerir” a matéria orgânica presente nos efluentes.
zona de raízes: Foto Nijen Paisagismo

As plantas utilizadas para esse fim são: o copo-de-leite,  junco ou junquinho, taboa, papiro e outras, que podem ser vendidas para floriculturas proporcionando alguma  renda extra. As plantas consideradas nativas apresentam maior eficiência nas reduções da DBO e DQO (utilização do oxigênio na decomposição da matéria orgânica), resultando numa melhor qualidade da água resultante desse processo

Objetivos:
-Tratar o efluente por meio de uma tecnologia de baixo custo e fácil manutenção , evitando a contaminação do solo ao redor da residência por efluente doméstico não tratado, que pode conter agentes patogênicos, ovos e cistos de verminoses, e que influenciam negativamente à saúde da família, principalmente crianças;
- Mudar a consciência em relação aos cuidados com a água e seus usos na residência, por meio da observação do crescimento, do desenvolvimento e do aspecto paisagístico e da qualidade do efluente tratado que sai da estação de tratamento de esgoto - maior cuidado com o que se joga nos vasos sanitários;
- Integrar o sistema de tratamento de esgoto com a paisagem local, utilizando plantas nativas em áreas de Proteção Ambiental, e plantas com potencial paisagístico  em áreas da zona urbana;
- Trabalhar com um sistema de tratamento de esgoto que não necessite de equipamentos que utilizem energia, funcionando todo ele por gravidade e pela ação de oxigenação das plantas.
- Incluir o sistema de tratamento de esgoto como um elemento estético integrado ao jardim da residência, justamente por não exalar odores possibilitando transformá-lo em um local de observação;

  Existem inúmeros modelos seguindo esse padrão altamente eficiente, podendo-se utilizar o mais adequado para cada espaço, e as dimensões de cada “bacia” de tratamento dependerão da quantidade de “fornecedores” de cada residência. Em geral “bacias” ou tanques de 1m³ para casas com 5 moradores, portanto 0,20m³ por pessoa. Para isso pode-se utilizar caixas d’água, alvenaria, isolamento feito com lonas plásticas e outros métodos de impermeabilização do solo criando modelos e formatos decorativos.

http://www.youtube.com/watch?v=t8ODez-37GM